bordeaux!

como já tínhamos dito antes, encontramo-nos em bordéus, uma cidade onde esperavamos ficar uma ou duas noites e acabamos por ficar 3. surpreendeu-nos ao máximo! estamos a adorar e sair daqui, vai ser bem complicado. sabíamos que poderíamos ficar mais noites se quiséssemos, pois já fizemos alguns contactos com outras pessoas que nos dariam alojamento se assim desejássemos, mas não, já são dias a mais e temos de seguir caminho!

bordéus é, antes de mais, uma verdadeira cidade francesa! grande, imponente, com história e cheia de coisas boas, saborosas, acolhedoras e cativantes para ver, experimetar, comprar ou - como vimos à porta de uma mercearia - "apenas visitar"! com pouco mais de 230.000 habitantes e considerada património mundial da humanidade pela unesco em 2007, pelo seu conjunto urbano, a cidade vive sobretudo no seu centro histórico e na parte que é banhada pela rio garona. é frente a este rio que se encontra uma das partes mais bonitas e vivas. jardins imensos, skateparks, ringues de vários desportos, fontes, hangares recuperados para zonas comerciais e o mais divertido de tudo, um grande espelho de água que faz a delícia de gente de todas as idades e onde, além de podermos ver reflectido toda a place de la bourse, se pode molhar os pés, correr na água e entranharmo-nos nos jactos de vapor que saem do chão e deixam uma nuvem de água no ar, que nos esconde e nos molha, mas que sabe tão bem que só apetece que nunca mais acabe! para as crianças, é o autêntico delírio!

depois disto, ainda temos bairros tão populares como st. michel - onde tivemos o prazer de ficar durante 3 noites! - e que consiste numa mistura de turcos, argelinos, portugueses, franceses, numa michelânea de línguas, cheiros, especiarias e restaurantes; a place de la victoire, a catedral, a rue ste. catherine com todas as lojas e restaurantes, toda ela comprida e sempre cheia de gente, a praça do grand théâtre, imponente e sempre animada; quinconces, com feiras e mercados que acontecem permanentemente; la base sous-marine, um gigante edifício da segunda guerra mundial, utilizada na altura para manutenção de barcos e submarinos, com paredes em betão com mais de 1 metro de grossura e que hoje, além da imagem crua que tem, com o rio que entra pelo edifíco adentro, tem no seu interior uma grande sala de exposições, além de no espaço se fazerem também concertos, instalações e outras actividades culturais! tão brutal, frio, cru e cinzento que sentimos o peso de toda a história dentro dele. vimos uma exposição de alain bergeon (pintura) e robert kéramsi (escultura), que nos impressionou pela forma também ela crua, com que representam o ser humano.

mas os dias em bordéus não foram só passados a caminhar. aproveitamos todos os momentos para espreitar para dentro de cafés, restaurantes e algumas lojas, livrarias que nos chamassem a atenção. todas tão (des)cuidadas na sua decoração, na (des)preocupação com o espaço que têm, tão intimistas, tão acolhedores! ora escuros, ora extremamente coloridos, ora kitshs, ora com um toque afrancesado que fica tão bem! a casa onde ficámos é, também ela, assim - despreocupada! as pessoas são fantásticas, aliás todas as que encontramos até agora em frança são - simpáticas, curiosas e "livres"! - com uma casa muito gira (como podem ver no vídeo que editamos), cheia de especiarias, molhos e livros, onde nos sentimos bem e onde temos uam divisão só para nós e onde comemos que nos fartamos!
as ruas, sempre que saímos, estão cheias de pessoas e é tão bom sentir que estas pessoas vivem a cidade. não é querermos comparar nada, mas achamos que - e já em espanha tinhamos sentido isso com as crianças nos jardins e nos parques - aqui vive-se mais na rua. as esplanadas estão cheias, os jardins estão cheios! as pessoas falam umas com as outras, cumprimentam-se mesmo sem se conhecerem, metem conversa, perguntam, dão opiniões e se em portugal muito disto também acontece, o que achamos estranho é que aqui, as pessoas que falamos são maioritariamente jovens! não se sente tanto os grupos, o não conhecer não é razão suficiente para não se soltar um sorriso, um "olá", uma pergunta! não vamos cair no portuguesismo de dizer que aqui é melhor, pois não é. quem o diz, são pessoas que passam férias durante uma semana num sítio e que claro, não vêem os podres do país, mas se falarmos com as pessoas - como é o nosso caso, que estamos permanentemente em contacto com elas, já que ficamos sempre em casa delas - notamos que os problemas são iguais em todo o lado. todos se queixam da crise (???), da política, do desemprego, da corrupção, da falta de oportunidades e por mais incrível que pareça, todas olham para os outros países com olhos mais sorridentes, como se o outro fosse sempre melhor que o nosso. sempre será assim, pensamos. infelizmente. do que falamos e sem querer estar a repetir, é o facto de se aproveitar os espaços que a cidade nos dá e gozarmos deles!
e é assim que vemos bordéus, uma cidade que nos surpreendeu muito e à qual, com toda a certeza, iremos voltar! amanhã, partiremos para cima, rumo a nantes e depois a paris que esteve sempre fora dos nossos planos, até termos visto hoje que o grupo deolinda dará um concerto no dia 26 na cidade. razão mais do que suficiente para uma passagem pela cidade da luz!

2 comentários:

Apf disse...

olá ! ando a seguir atentamente a vossa viagem! quem me dera poder fazer o mesmo pela europa fora ! daki a 2 semanas vou fazer a minha primeira viagem em 20 dias do porto rumo ao sul! abracos!

Jaime Valente disse...

Notícias de cá: Guimarães será Capital Europeia da Cultura. Não, não se apressem na Vossa viagem: é só em 2012! :)
Continuação de boas pedaladas e disposição!

Posts mais populares