dzień dobry


estamos na polónia desde o dia 21! que lufada de ar fresco na nossa viagem! acontece quando passamos por um país, ou por vários, que são frios na maneira de ser, mais reservados no contacto, mas sérios, como foi o caso da holanda e da alemanha. ao atravessarmos ponte que separa frankfurt (oder) - na alemanha - de slubice - na polónia, não sentimos logo esta mudança, mas à medida que iamos pedalando mais e mais para dentro do país, as coisas foram-se alterando muito, radicalmente, em alguns casos.

pedalarmos numa estrada e vermos um ciclista a passar do outro lado levantando o braço, cumprimentando-nos, foi razão suficiente para nos sentirmos melhor. não acontecia isto há imenso tempo. na estrada não havia como nos enganarmos, era sempre em frente, num percurso sem qualquer piada, sem alterações geográficas e, na maior parte das vezes, com pequenas elevações que nos faziam subir e descer constantemente. as condições da estrada não eram, com toda a certeza, as melhores. no entanto, o simples facto de termos entrado num novo país, com uma língua completamente diferente, com hábitos diferentes, fazia-nos estar mais receptivos. logo na primeira vila que apanhamos a seguir a slubice, levantamos dinheiro. o problema câmbio, com o qual já não nos preocupávamos há imensos anos, regressou. notas desconhecidas para o bolso, alguma coisa para o estômago e seguimos viagem por entre vilas degradadas, estradas degradadas e jardins degradados. o primeiro percurso levou-nos a zielona gora, depois de algumas horas a pedalar sob um calor e uma humidade imensa - condições que nos acompanharam até wroclaw. a ula recebeu-nos com um grande sorriso, assim como os seus pais que, depois de uma primeira introdução e um banho delicioso, nos ofereceram para jantar uma refeição tipicamente polaca! fantástica, hiper deliciosa! a nossa vontade era ter ficado ali a comer a noite inteira, mas sentimos uma certa...vergonha, pela quantidade que já tínhamos comido! a conversa que havia começado nessa noite, acabou durante o pequeno-almoço do dia seguinte, depois do qual deixamos esta maravilhosa família para pedalar até lubin!

a estrada er
a detestável e é fácil perceber que este país ainda não está preparado para as bicicletas e muito menos mentalizado para as receber nas estradas como meios de transporte normais. as poucas pistas que existem, estão sujas ou cheias de pasto e a aventura tem obrigatoriamente que continuar pelas estradas principais que, além de serem muito poucas e monótonas - há percursos que fazemos 40km sempre em frente - os carros passam a altas velocidades e os camiões são gigantes que nos empurram para a berma. além de toda esta confusão, há ainda o facto da polónia, juntamente com a ucrânia, serem os organizadores do europeu de futebol em 2012, fazendo com que quase todas as estradas estejam em remodelação ou em construção, fazendo-se a circulação muitas vezes num só sentido. agora imaginem o rafael e a tanya nas suas bicicletas, à frente de todo este trânsito sem fim, numa estrada sem fim, na qual um camião não consegue passar ao nosso lado sem nos bater. a pressão é imensa sobre nós ao sentirmo-nos olhados, lá de cima e, muitas vezes, somos obrigados a saltar para a berma, onde a imensa areia, terra ou pasto nos recebem, até que todos estes veículos consumidores de petróleo nos ultrapassem. quando chegamos a casa da jola e esta nos disse que tínhamos de subir com todo o material até ao 4º andar, às costas, íamos morrendo. depois de todo este esforço, subir aqueles andares todos mais do que uma vez, foi uma batalha difícil de vencer. depois de uma sopinha óptima e de meia dúzia de palavras trocadas, aterramos com todo o nosso cansaço, prontos a matá-lo nos primeiros minutos de sono!

wroclaw (pronuncia-se vrotsuave) era a nossa próxima paragem a uns quilómetros dali. o dia repetiu-se em calor, humidade e estradas caóticas. pior que no dia anterior, podemos
arriscar. pelo meio paramos uma série de vezes, ora para comer e beber, ora para pedir boleia - imagine-se - com toda aquela tralha às costas, pois estavamos desesperados com as condições que tínhamos e, confessamos, um bocado preguiçosos! claro que em vão, pois encontrar alguém que dê boleia a duas pessoas com bicicletas tipo tir atrás, é quase impossível! lá nos convencemos e seguimos a peadalada! chegados à cidade, suados, sujos e muito cansados, paramos sem saber para onde nos virarmos. tínhamos a morada da casa, mas nenhum outro contacto. ao nosso lado para uma bicicleta com um rapaz que nos pergunta se precisavamos de ajuda. mapa para fora, algumas explicações e o rapaz - o radek - achou por bem levar-nos até a um sítio onde apanhassemos uma recta e fosse mais fácil! pelo caminho fomos trocando algumas palavras, algumas experiências e, depois de parados, os contactos e uma fotografia! quando chegamos a casa do casal que nos iria acolher, reparamos que não estavam em casa. esperamos e, depois de 2h30 sem ninguém chegar e com uma tempestade gigante a acontecer do lado de fora, decidimos contactar o radek e saber se este nos poderia alojar. o engraçado é que, antes mesmo de enviarmos a mensagem, já estavamos a receber uma a perguntar se tínhamos escapado à tempestade e a oferecer a sua ajuda caso necessitássemos de alguma coisa. "precisamos" - foi o que lhe dissemos na mensagem de volta. em alguns minutos, disse-nos que não nos ia deixar pedalar com aquela tempestade, no meio da noite, com todos aqueles loucos na estrada. vou buscar-vos de carrinha, mas têm que esperar mais 30 ou 40 minutos. assim foi! quando chegou, tivemos, mais uma vez, de caminhar por caminhos mal amanhados, estradas em construção e ramos que haviam caído com a tempestade. bicicletas metidas na carrinha e só queríamos chegar a casa depressa, pois estavamos completamente rebentados. a recepção e a companhia do radek e da monika durante estes dias não poderia ser melhor! um casal fantástico, vegetariano e ainda mais amigos das bicicletas do que nós, a viver numa casa fantástica, com uma cadela lindíssima...poderia ser melhor? não! passamos 2 dias e meio com eles, tanto em casa como na cidade, onde nos mostraram alguns lugares mais ou menos escondidos de wroclaw que, na nossa opinião, é das cidades mais bonitas que já visitámos! claro está que a maior parte das casas foram construídas pela alemanha, visto que até ao fim da 2ª guerra mundial, este território ainda pertencia ao país vizinho, passando somente para a polónia depois da guerra ter terminado, tendo a polónia perdido parte do seu território a este para outros países também, como é o caso da ucrânia. wroclaw é uma cidade diferente do resto que tínhamos passado neste país. uma cidade moderna, muito dinâmica, activa e com muitos jovens. uma cidade onde podemos decobrir pequenos segredos escondidos aqui e ali, em pequenas vielas, em sítios que julgamos sem saída e que, depois de percorridos, nos obrigam a ficar e a voltar no dia seguinte!

a comida polaca foi também uma descoberta para nós e, mesmo vegetarianos, podemos deliciar-nos com algumas das suas iguarias, como é o caso dos pierogi ruskie, das panquecas de batata, da sopa de tomate e da sopa de beterraba, ou com as imensas tostas que são aquecidas no forno com queijo, molhos e cebola frita! hum...claro que os preços são extremamente convidativos, o que nos faz por vezes gastar mais do que aquilo que estavamos à espera, só porque nos fartamos de comer! para acabar, reparamos que os polacos têm imensas gelatarias, razão pela qual gastamos montes de dinheiro em gelados também...deliciosos!

5 comentários:

De Cabo a Cabo disse...

Boas...

A Polónia é mesmo fixe, não é?!
Bem... imagino que se foram (ou estão) em Cracóvia, não se vão esquecer de ir a Auschwitz e ás minas de sal de Wieliczka... têm mesmo de ir!!!

Um abraço e continuação de boas pedaladas...

lavinka disse...

Our country does not spoiling cyclists, but slowly, slowly this is changing. Even the driver has to react better rowerzysty view, not always maliciously trying to pass it as ever been (google translate) :)

recordando54 disse...

Então meninos quanta fominha... será que vão comer isso tudo? Pelo menos bom aspecto tem!Guardem bem as receitas, pois o Joca vai precisar delas para o negócio dele e preparem-se para irem dar uma ajudinha.
Um bocadinho atribulada esta parte da vossa viagem, mas a verdade é que se não forem estes percalços a viagem ficava sem interesse.
Deixa-me cá perguntar-vos se a Tanya perdeu um dente pois na foto ... parece, risos. Sempre na brincadeira vamos lá a tirar isso do dente.
Continuação de boa viagem
Amo-vos

Marta disse...

Boas as dois!
Estou estupefacta/maravilhada com a vossa viagem. O Alexandre (Marionet) falou-me nela e cá vim eu espreitar.

Como devem saber, o Alexandre está a trabalhar com uma editora de publicação gratuita online e.. eu também! Vai daí, venho propor-vos que, volvidos a terras lusas (e será que voltam?)publiquem o vosso diário de viagens na Bubok. Os textos e as imagens já cá estão no blog, por isso, o trabalho de criar um livro está muito facilitado. Pensem nisso enquanto se viajam. Eu deixo-vos aqui algumas informações.

A www.bubok.pt é um serviço de auto-publicação online que dá a qualquer autor a possibilidade de editar e publicar as suas obras. O processo é muito simples e o controlo está sempre nas mãos de quem publica.

Em www.bubok.pt encontrão todas as ferramentas e serviços que necessita para publicar e vender as suas obras, em formato electrónico ou em papel. Porque a Bubok tem preocupações com o ambiente, o seu serviço de publicação funciona segundo sistema Print-on-Demand: só se imprimem os livros encomendados, não sendo necessário um número mínimo para o fazer e sem originar excedentes poeirentos.

A nossa prioridade é o autor. Em www.bubok.pt é você quem define o processo editorial da obra e, para além de publicar as suas ideias facilmente, recebe 80% dos lucros das vendas.

Se quiserem ajudar a divulgar a Bubok a todos os autores que queiram publicar os seus conteúdos, incluam um link para o nosso blog na vossa lista de links: http://www.bubok.pt/blog/.

Para qualquer dúvida, o meu contacto é: marta.furtado@bubok.com.

Espreitem o site www.bubok.pt!

Boa viagem.

Delvanzan disse...

Eu é que não sabia dessa vossa aventura, senão aqui ficavam na minha casa em Wroclaw. E já agora, onde compraram essas pizzas?

Pedro

Posts mais populares