como descrever...

como descrever um país tão pequeno e que atravessámos de forma tão rápida?! desde que entramos, na fronteira com a albânia, que a macedónia nos parecia mais um país, outro saído da antiga jugoslávia e que, assim como os outros países anteriores, nos traria boas experiências, tudo bem, paisagens engraçadas, tudo bem, preços acessíveis, tudo bem. mas perguntem-nos sobre as paisagens, os preços e tudo o resto e nada saberemos responder.

a macedónia foi, mais do que qualquer outro país até aqui, aquele que mais contacto com as pessoas tivemos. dizer que adoramos a macedónia, é pouco. nós saímos do país com o coração cheio de coisas boas, cheios de recordações, aconchegados e, mais do que tudo, cheios de saudades!
descemos até struga, a primeira cidade que apanhamos depois de atravessar a fronteira e encontramos de novo fruta na estrada! maçãs, romãs, ameixas! paramos e não nos importamos com a noite que cai...queremos é comer e guardar o mais que seja possível! enchemos os capacetes de fruta e continuamos a nossa descida até à cidade! eramos para acampar junto ao grande lago ohrid, mas por fim, quando nos vimos no meio da avenida central, optamos por tentar arranjar um hotel com preço baixo. depois de algumas voltas e um "choradinho", lá conseguimos encontrar um humilde hotel de 4 estrelas que nos levou 20€ do bolso! a estadia começava bem! o centro era simpático, as pessoas simpáticas e o ambiente não menos simpático, apesar de pouco pessoal. no outro dia de manhã, acordámos e partimos sem destino certo.

a paisagem mostrava-se montanhosa, mas a estrada corria sempre cá em baixo e nós adora
vamos! entre parar numa pequena aldeia para almoçar/lanchar e apanhar uma boleia de 50km até bitola - uma das maiores cidades da macedónia - de uma carrinha azul que passou e parou à nossa frente, o percurso fez-se calmamente e sem grandes sobressaltos. o tempo estava bom, não havia vento, o trânsito era quase inexistente! depois de bitola, continuamos a pedalar até chegar a prilep, 40km depois, onde decidimos parar e tentar arranjar onde dormir. falamos com um ou outro adolescente no meio da rua, pois seriam os únicos a compreender o nosso inglês, que não nos conseguiram dizer mais que um simples: desculpem, não conseguimos ajudar... mas a ajuda haveria de chegar do outro lado da rua, de dois senhores nos seus 60 que se prontificaram, entre gestos e palavras soltas, a ajudar-nos no nosso pedido. seguimo-los atrás das suas bicicletas e chegamos a um estaleiro de madeiras, com um burro e meia dúzia de cães esfomeados, uma casa em construção e dois ou três reboques de camiões abandonados. o "guarda" veio, um senhor na casa dos 50 e logo nos mostrou duas opções onde poderíamos acampar: uma, dentro da garagem da casa; outra, dentro de um dos quartos ainda em construção! com tanta escolha, optamos pela segunda, o quarto! mas entretanto, lá em baixo, esperava-nos uma noite fantástica na companhia dos 2! a conversa foi-se fazendo de entendimentos poucos, enquanto uma salada de tomate era preparada, fotografias eram tiradas, pimentos eram abertos, rakia (bebida nacional) era bebida, risos eram soltos e o mourinho tentava ganhar ao guardiola. nada feito, no fim, só nós é que ganhámos uma noite indescritível! a subida ao quarto foi feita com a única lanterna que temos e dormimos que nem uns anjinhos! de manhã, o café esperava-nos, assim como as últimas despedidas aos cães, ao burro que estava amarrado a uma planta desde as 5 da manhã e, claro está, ao "guarda", que ainda nos levou a um supermercado onde, depois da senhora ter descoberto que eramos portugueses, nos ofereceu a sua máxima simpatia, cafés e bolos, tudo comido na companhia de 4 trolhas que se preparavam para começar a trabalhar! adeus, adeus...escreveremos um dia! xau...

pedalavamos agora até
veles, onde o ace nos esperava só no dia seguinte mas, com a boleia do dia anterior, adiantámo-nos no espaço e por isso chegaríamos antes! a macedónia não tem mar. tem uns lagos ainda com tamanhos decentes e rios que nunca mais acabam. é uma região onde a água não escasseia, assim como não escasseiam os legumes e, sobretudo, os pimentos! em todo o lado se exibe o "legume nacional"! em todo o lado se cozinha! em todo o lado se come, com tudo, em tudo, de todas as maneiras possíveis e imaginárias! eles são aos milhares! em casa do ace, não era diferente! quando chegámos, a família cozinhava pimentos. quando saímos, continuavam a cozinhar! durante as três noites que lá passamos, comemos pimentos feitos de todas as maneiras a toda a hora, em quase todas as refeições! e tudo estava delicioso! veles é a 5ª maior cidade da macedónia, plantada no meio das montanhas, onde um rio escasso a atravessa. devido à sua condição geográfica, pareceu-nos bizarro ver os cemitérios no topo das montanhas. mas pensando bem, onde iriam eles ser construídos? o seu novo centro tem dinamismo, muitos bares, um jardim com uma igreja ortodoxa, claro está e muita gente nova, que enche os cafés com muito estilo e simpatia! neste tempo passado aqui, tentamos colocar as coisas em dia, actualizar os blogs, pedir casas para os sítios para onde pensávamos ir depois. deu para tudo...até para descansar! à saída, o ace prometeu viajar até portugal no próximo ano, pois como é dj, há muito lhe interessa estar presente no boom festival!

esperavamos chegar longe nesse dia! planos furados...aliás, não foram só
os planos que saíram furados, mas sim os pneus das bicicletas, ao ponto de termos tido tantos furos que num deles, na bicicleta do rafael, a câmara-de-ar ter tido um grande rasgão e depois de 3 horas a tentar arranjar remendá-lo, acabámos por desistir e voltar 5k atrás para uma bomba de gasolina onde esperávamos acampar nessa noite para, no dia seguinte, apanharmos uma qualquer boleia para comprar câmaras-de-ar novas. sim, viajamos com o básico! no entanto, ainda antes dos furos, o rafael apanhou uma vespa com os lábios e foi mordido. o dia estava mesmo a correr bem! no regresso à bomba de gasolina e depois de já termos caminhado quase 5km e depois do rafael tentar vezes sem conta pedir boleia - com as bicicletas, claro está - uma das carrinhas que não parou no raael, parou quando a tanya levantou o dedo! por ser menina? não! mais à frente, uns 100 metros, éramos parados pela polícia e pensávamos nós que o mau dia ia continuar, mas depois deste ter percebido o problema, até nos ajudou e disse aos senhores da carrinha, que entretanto já nos tinham passado uma garrafa de coca-cola para as mãos, onde poderíamos resolver o problema dos pneus! 15km depois, paravamos numa feira e compravamos duas câmaras-de-ar por 5€ - acho que fomos roubados - e as bicicletas podiam continuar viagem, mas não nós que estavamos estourados, cheios de fome e decidimos que era mesmo ali que iríamos ficar. mais uma vez o ace, de veles, entrou em acção! depois de um telefonema, arranjou-nos onde ficar e a noite não podia ter acabado melhor! foi possivelmente com a família mais bondosa, divertida e querida de stip que ficamos! um casal nos seus 50, com um filho, darko - o amigo do ace - que nos abriram a porta de casa, ofereceram um banho, comida e uma cama lavadinha! sim, somos muito sortudos! acontece! o serão foi passado a rir, a conversar num inglês muito básico e a ver a final do campeonato europeu de basquetebol, que nuestros hermanos ganharam.

seria o nosso último dia na macedónia, se tudo corresse bem, claro está! a manhã começou com o rafael e tanya a remendarem meia dúzia de furos nos pneus dos atrelados de carga das suas bicicletas! lindo! a seguir a isso, só paramos para beber água, descansar um pouco e comer muito! a viagem seguiu até quase à fronteira com a bulgária e depois de atravessarmos a última cidade e como a noite já estava cerradíssima, entramos por uma aldeia adentro, perguntámos a 3 senhoras na rua onde poderíamos montar a tenda e, 10 minutos depo
is, estavamos a entrar numa casa em construção, mas com um quarto pronto, onde nos ofereceram duas camas para dormirmos, fogão para cozinharmos e garrafas de água, pois a água canalizada ainda não funcionava! que fim de dia espectacular! e nós a julgarmos que íamos dormir dentro da tenda, ao frio! perfeito! acordamos em delcevo e à porta tínhamos a rapariga da casa à espera a convidar-nos para um café em sua casa! isto é lindo! macedónia é lindo! já em sua casa, com os pais, tomamos o pequeno-almoço, bebemos cafés e saímos com um saco com pepinos, pêras e aivar, um preparado de pimento (claro!) que fazem por cá e se barra no pão, entre outras coisas e que é delicioso! delicioso ao ponto de nos terem dado um frasco inteiro e logo na primeira oportunidade que tivemos, quase o acabar todo...que gulodice! saímos, depois de termos trocado contactos e prometermos voltar um dia! sim, aqui sim, temos a certeza que voltamos!

entre a macedónia e a bulgária 10km sempre a subir nos esperavam. 1h20 a pedalar montanha acima para, chegados à fronteira, o polícia ainda nos dizer: obrigado por terem visitado a macedónia! esperamos sinceramente voltar a ver-vos um dia! - e nós a pensarmos: espera aí...não era um polícia? não será isto paleio de um agente turístico? - para depois pensarmos - sim, é paleio de um agente turístico em qualquer parte da europa, mas não na macedónia, onde as pessoas são incrivelmente boas e calorosas...até os polícias!

p.s. - a macedónia tem as notas mais bonitas da europa!

1 comentário:

Anónimo disse...

Só visto,os vossos furos faz-me lembrar as minhas bolhas nos pés nas minhas G. caminhadas,mas logo acontece alguma coisa, positivo,motivador,alegre ou mesmo caricato...e´lá vem o animo outra vez.Vareira,Guida.Beijinhos.

Posts mais populares