vive la france


como podemos nós não gostar da frança? e não nos venham com a história que eles são apenas simpáticos com as pessoas que falam francês, pois antes de abrirmos a boca eles aproximam-se com um grande sorriso e uma vontade enorme em ajudar!
parámos em saint-jean-pied-de-port para a visita. era uma paragem obrigatória pois é lá que começa um dos caminhos mas camininhados, dos caminhos de santiago de compostela - o caminho francês. fomos até ao albergue de peregrinos para

nos carimbarem a caderneta mas para lá chegar, tivemos de enfrentar um estreito caminho com uma inclinação não muito amigável! e é aí que entra a simpatia dos franceses! uma senhora, que carregava já os seus 50 e muitos anos, ainda ajudou a empurrar a bicicleta!
- moro mesmo ao lado da albergue! - disse ela
santa simpática senhora!
quando abrimos a porta do albergue, duas senhoras (também com os seus 50 e muitos) deram-nos as boas vindas com um enorme sorriso e uma simpatia gigantesca, estendendo-nos os braços, oferencendo-nos croissants! acabámos por ser convidados para almoçar com elas, no quentinho! como podemos nós não gostar de frança?
adorámos o centro histórico! não tem muito para ver, é pequeno mas encanta. e vale a pena subir até a cidadela e ter uma das paisagens mais impressionantes! ver os pirenéus que tínhamos acabado de passar, ali, à nossa frente! o verde dos campos com pequenas casas espalhadas! é difícil arranjar palavras para descrever o que vemos! as palavras que mais dizemos nessas alturas, são:
" uau! bem!!! devem estar a gozar comigo! que lindo!" o melhor é deixar umas quantas fotos para poderem concordar!

se há franceses simpáticos, há também portugueses simpáticos por este mundo fora! depois de muitos quilómetros, parámos numa pequena aldeia para perguntar se nela havia portugueses.
- na próxima terra, em mauléon, encontram uma grande comunidade de portugueses - disse-nos um senhor.
procuramos a associação portuguesa, mas estava fechada, abrindo apenas aos fins de semana. perguntamos a um casal onde podíamos encontrar portugueses. mesmo ali ao lado, morava uma família. fomos até lá e falámos da nossa história à paula. com muita pena, ela não nos conseguiu dar alojamento mas não nos deixou na rua. levou-nos a casa do seu compadre, o senhor antónio que quando nos viu, reconheceu-nos!
- eu vi-vos no dia da vossa partida! nós temos os canais portugueses! - e mostrou-nos um grande sorriso amigo, abrindo-nos a porta!
entramos na sala e o senhor antónio apresentou-nos o sofá onde íamos dormir, mesmo em frente à lareira!
- desculpem-me se for muito...
o quê? muito o quê??? não muito confortável?! aquela lareira mesmo em frente, um sofá, uma casa, um tecto, uma família simpática... se calhar seria melhor montar a tenda ao frio, não? passámos uma noite muito agradável e tivemos direito a comer bolo, junto da sua grande família, pois era o aniversário da sua esposa!
a paula tratou de tudo:
- não há problema se aparecer um repórter cá em casa para vos entrevistar? - perguntou.
- claro que não!
- e amanhã, em pau, querem ir à uma rádio portuguesa?
- claro que sim!
assim foi, o repórter apareceu, respondemos às perguntas e tirámos umas fotografias todos juntos.
no dia seguinte partimos, prometendo dar notícias a quem tão bem nos acolheu!
para pau, não foi preciso procurar uma associação portuguesa (o que não seria difícil de encontrar, já que existem 12), fomos recebidos pelo kamal, um francês muito simpático com origem marroquina.
pau é conhecido como a "porta dos pirenéus" ou também, tendo assim uma vista de deixar os queixos caídos a quem a visita. os monumentos mais importantes incluem o castelo, datado do século XI, onde nasceu o rei de frança, henrique IV. as visitas ao castelo são feitas apenas com guias, o que torna tudo muito mais interessante. ficámos a saber mais da história da frança e os costumes das pessoas dessa época.
ainda não vimos tudo na cidade de pau, pois a uma boa parte da tarde foi passada na rádio! a paula veio ter connosco e acompanhou-nos na emissão. duas horas divertidas onde ganhámos dois bilhetes para ver o quim barreiros, numa festa portuguesa, com certeza! logo a noite lá estaremos para um pésinho de dança!

4 comentários:

Daniela disse...

Beeemmmm!!! Des crrrrroissants, des eclairrrrrsss, e ainda um bilhete pro Tim Barreiros?? quim beija!!!

lu-zinh@ disse...

Força aí nas 'canetas',com esse calor humano as descidas geladas que se preparem hehehe...bom arraial ao som do Quim ;)

recordando54 disse...

Olhem lá , será que vocês levaram o "T"?Não é ele que está na foto??? Aposto que pensaram nos vossos filhotes!
Tudo muito bonito , mas cá deste lado no aconchego da nossa casita, pois aí deve ser muito,muito duro mas também muito compensador e sentir que aquilo que vocês diziam sempre " o mundo não é perigoso" , se confirma nos vossos relatos e na hospitalidade das pessoas que vocês vão encontrando.Muita força pois coragem têm-na desde o momento em que decidiram partir.Beijinhos e já com alguma saudade de não vos poder dizer:" que revolução vai neste quarto".Lambidelas dos vossos filhotes
Olha o "t" está a rosnar à Duda pois tem um pedaço de pão que lhe dei no chão e deve ter medo que a Duda o coma.

Pirate disse...

Pau, Orthez no sul de França...a comunidade lusa por aí é de facto enorme; hospitalidade lusa não lhes vai faltar! A simpatia dos franceses tem dias. Diria que é melhor em zonas mais rurais,ou em meios mais pequenos, o ke é uma tendência universal diga-se. Mas os franceses têm um je ne sais quoi quando lhes dão para ser antipáticos nas grandes cidades...
Essa passagem nos Pirinéus, (essas paisagens, que adoro), foi de antologia.
Vivido a pedal tem outro sabor, é como a slow food :-) Dá para degustar todos os ingredientes em slow motion. Lucky you !
Uma "biking cruzade" até à "terra prometida" de Macau. É obra...
Muita energia e coragem!
Carpe Diem

Posts mais populares