xixi

"Não vou escrever isto no blogue” Pensava enquanto gotas desuor me caiam pela face. “Respira fundo Tanya, concentra-te”

- É preciso tanto tempo? – Dizia o Rafael sem piedade.

- Estou a concentrar-me!

Não é fácil viajar num autocarro quando se está com umainfecção urinária… Estávamos num autocarro com um compartimento com duas camas,onde podíamos fechar o compartimento e escondermo-nos, fechando a cortina.Tínhamos tudo para poder fazer uma boa viagem de 15 horas. Passado pouco maisde uma hora, a minha bexiga dava sinal de vida e de desespero. Tenteidistrair-me olhando para o mundo lá fora e tirar umas quantas fotografias.

- Eh ouh, estou a ficar sem espaço para a tua urina, o quefoi que andaste a beber? – Esta é a minha bexiga a pensar que é gente.

- Qual beber qual carapuça. Não ando a beber nada com medode ti nestes cenários!

Desisti da máquina fotográfica e deitei-me para ver seconseguia dormir um pouco e esquecer o assunto.

- Ah, isso é que era bom! Se te deitares de lado, vou ficarmais apertadinha. Viste! Eu avisei! Ok, assim aguento mais um pouco mas nempenses que te vou deixar adormecer! – Continuava a minha miss bexiga.

Tentava levar o meu pensamento para longe. Comecei a pensarno nosso regresso a Portugal, na festa surpresa de carnaval. Sim, surpresa, atélá vou esquecer e vou fazer a minha melhor cara de admirada com a surpresa! Umafesta fora da data de carnaval mas todos mascarados, num grande jantar cheio deamigos! Com uma mesa cheia de comida, sim muita comida! Depois comecei a pensarno meu sobrinho, o meu super herói. Ele está enorme! Estou ansiosa para estarcom ele e contar todas as minhas aventuras! Quero acampar com ele, nem que sejano quintal da minha avó!

- Já te distraíste com esses pensamentos lamechas? Entroumais uma gota de urina e não estou a gostar deste entra entra e ninguém sai.

Ainda não tínhamos saído de Mumbai e já tinham passado 3 horas!Incrível como isto é e como o trânsito é sufocante! Fui ter com o motorista,quando este parou o autocarro.

- Onde posso encontrar uma casa de banho?

- Não há casa de banhos. Podes fazer ali. – Respondeu semter olhado para a minha cara que vertia xixi pelos olhos!

Ali? Mas ali onde? Saí do autocarro, fui para o passeio enada, não havia nada, era um grande buraco com muito lixo lá em baixo e muitoshomens de pila na mão a aliviarem-se. Voltei a entrar com a minha cara depoucos amigos.

Começava a não encontrar pensamentos alegres para medistrair… Voltei a dirigir-me ao motorista.

- Quando é que paramos? É que estou com muita vontade de ira uma casa de banho!

- Só paramos daqui a 3 horas. – Disse ele na maior dascalmas.

3 horas?! Não! Só pode estar a gozar! Então ele não me estáa ouvir? Não vou aguentar 3 horas!!!

- Não está a perceber. Não dá para parar num café para poderir à casa de banho?

- Não.

- Não aguentou!

- Só daqui a 3 horas.

- Então pronto, vou entrar num compartimento vazio e faço o meu xixi numa das camas! Eu estou a avisar!

E ignorou-me! Encolheu os ombros num faz-o-que-tu-quiseres.Que nervos! Voltei para o compartimento e comecei a pensar “como possolivrar-me deste xixi na bexiga? Se fosse menino, punha a pilinha para fora dajanela.” Não posso pensar nos “ses” tenho de pensar em algo possível. Olheipara a garrafa de plástico que estava quase vazia e comecei a estudá-la. “Possofazer um Pee Style!

- Não queres beber o resto desta água? Estou a pensar fazerum Pee Style com a garrafa. Como é que posso cortar? Corto a meio e fica tipopenico? Ou faço como o pee style mas sem o xixi sair? – Expus as minhasdúvidas.


O Rafael bebeu o resto da água, eu agarrei-me à tesoura.Cortei um quadrado, onde a minha pombinha ia ficar bem instalada e pronto,trabalho concluído! Agora é só fechar a cortina e aliviar-me.

- Que vergonha! Não vou escrever nada disto no blogue!Quando contar isto à minha mãe ela vai partir-se
a rir! Nunca na minha vidapensei em fazer xixi num autocarro!

- Cala-te e faz. – Dizia o Rafael.

- Espera, não estou a conseguir.

- Não estavas cheia de vontade?

- E pensas que sai assim? Não consigo…

Desisti…

- Como não consegues? Deixa-te de coisas e ajuda-me a ficarvazia! – Cá está, a minha bexiga a meter-se na conversa.

Tentei outra vez e nada… Com o autocarro em andamento eraimpossível ficar relaxada e aliviar-me.

- Aproveita agora que estamos parados. - Disse o Rafaelquerendo ajudar.


Concentrei-me, pensei em água a correr, em cascatas, emfontes, em água muita água e… está quase… estou a sentir… uma gota, a gotacorajosa saiu e todas as outras voltaram para trás quando sentiram o autocarroa arrancar… Não me podia estar a acontecer isto! Estava cheia de calor,transpirava… “Vá lá Tanya, concentra-te” e timidamente o xixi apareceu, pé antepé, fazendo-me soltar pequenos risos de alegria e demas-o-que-é-que-estou-a-fazer?

Alegria, alegria! Consegui!!! Pois é meninas! Temos de nosdesenrascar!

- Ouve lá, oh bexiga! Tanta coisa e só tinhas isto?

- E diz lá se não estás aliviada?

Estava, mas passado meia hora, a bexiga começava achatear-me.

- Já me estou a sentir com muitas passageiras dentro de mim…

6 comentários:

Trindade disse...

Like

Anónimo disse...

Mulher do Norte, pois claro!

rouxinol de Bernardim disse...

dizem que dá pra reciclar...

Pipa disse...

Hahaha :). Alta experiência. A representação gáfica está super gira. Hehe.

Pipa

Camolas disse...

Está da cor do vinho novo

Carina Silva disse...

As ilustraçoes estao demais. Ah e essa cara de satisfaçao diz tudo :P

Posts mais populares