cafés do mundo - la libre

estão em madrid, estão no meio da confusão e estar dentro do metro ou dentro de uma lata de sardinhas é-vos indiferente. há barulho, há pessoas a acotovelar-vos na avenida principal. um mar de gente… o semáforo vermelho, inicia a formação da onda que se desfaz à luz verde. estão de visita, são turistas no meio de muitos turistas. há muito para ver, muito para fazer… o que ver primeiro? o que fazer primeiro? 
chega uma altura em que precisamos de parar, precisamos de respirar, desligar o cérebro. uma pausa! vamo-nos esquecer que estamos em madrid e vamos entrar no café “la libre, libreria café”. o nosso olhar é atraído para a montra, onde estão expostos muitos livros misturados com objectos antigos: um gira-discos, candeeiros, um discman, relógios… essa montra não nos mostra um café. é passando pela porta aberta, que nos convida a entrar, que nos apercebemos da existência de pequenas mesas e cadeiras! descobrimos o café no meio de tantos outros cafés. este é mais que um simples café. é também uma livraria! os livros estão espalhados por tudo quanto é canto. livros novos, livros em 2º mão e quem sabe, em 3ª mão. podemos levar um livro para oferecer em troca de um cartão com pontos que nos oferece descontos. 
o espaço é pequeno, acolhedor, não necessitando de mais. poucas mesas de tamanhos e feitios diferentes, cadeiras misturadas com sofás, com poltronas. ao entrar, a empregada sorri e nesse momento, apercebemos que a escolha do café foi acertada. A empregada foi desenhada para la libre. tinha de ser ela, outra não seria a mesma coisa. o telefone laranja que condiz com o papel de parede, toca. o menu está no quadro de giz com corações desenhados, e ao lado das laranjas e dos limões expostos, temos lápis de cor com uma fila de cadernos, prontos a serem escritos. olhamos para o tecto e perdemos o olhar para os diferentes candeeiros no tecto com tijolos brancos, às ondas. passamos um corredor cheio de livros no chão, formando torres de babel. há livros em alemão, em francês… a televisão está desligada e a empregada olha-nos pelo longo espelho, de costas para nós, enquanto tira os cafés. o telefone, volta a tocar. o globo terrestre é um candeeiro. a balança verde, há muito que deixou de pesar assim com o rádio deixou de tocar, ficando estes, agora, na última prateleira ao lado das chaleiras de diferentes cores. sentamo-nos e lemos o jornal. pedimos um café, ora solo, ora com leite de vaca, ora com leite de soja. perdemos o olhar e tentamos absorver toda a informação possível. despedimo-nos do café dizendo para nós mesmos que haveremos de voltar e oferecer um livro. despedimo-nos da empregada que nos sorri! la libre é um café/livraria onde nos podemos sentar e esquecer que estamos em madrid. um café onde se quer voltar e ouvir o telefone laranja tocar.

3 comentários:

sofia martins disse...

Excelente! Adorei!
As fotos estão muito boas, tão boas que consegui sentir o cheiro do café!
Que bom!

Beijosss

ruimnm disse...

as fotografias estão excelentes. retratam muito bem o ambiente desse café.

(é também disto que espero ver, nesta vossa/nossa viagem).

Pirate disse...

Post 5 estrelas...já não vou a Madrid faz uns bons anos, mas as memórias retornaram em flash back...la movida,os jantares tardios, as bodegas, os solos, as tapas, o movimento urbano perpétuo.
Mas vocês conseguiram aportar em boa hora a essa ilha calma feita livraria original :-)
Continuação de uma excelente viagem e preparem-se para o frio de ranger dentes na subida para os Pirinéus

Carpe Diem Rafael e Tânia Ruivo

Posts mais populares